Deixa eu começar falando um pouco mais dos primeiros pontos que vamos tocar no curso: Mindset Empreendedor Global. É, o que diabos?

Esse termo Mindset quer dizer “pensar como”, “filosofia de vida”, “agir de acordo”. Noutras palavras, é muito fácil percebermos quem tem um perfil de empregado e perfil de empregador. Quem tem perfil de líder e quem tem perfil de chefe. E isso quer dizer que tem gente que tem uma propensão a ser funcionário público, e nenhum erro com isso. Seja feliz.

Saber se reconhecer, olhar para si próprio e classificar as suas características, qualidades e defeitos é bem complicado. Principalmente porque a gente não tem esse hábito, de olhar para o espelho e buscar dentro de si, sem mentir. Sem criar uma falsa persona. Afinal, saber os seus defeitos, ou melhor, os seus limites é imprescindível para que possa, depois, montar o seu time (um que complemente as suas skills).

E o Global? Vamos abrir uma Startup na Finlândia, é isso? Bom, pode ser. Mas não necessariamente.

O que queremos dizer aqui, em linhas gerais, é que nenhum de nós é um gênio incompreendido. Nenhum de nós pensou numa solução mágica que todos os engenheiros da Google, Microsoft ou Amazon ainda não tenham pensado. Isso porque nem vou entrar em detalhes sobre a possibilidade de algum chinês ter tido a mesma ideia, e eles são muitos!

Então, se é fácil definirmos que uma ideia já existe, por que ainda estamos olhando para o próprio umbigo e insistindo em sermos seres mágicos? Não somos!

O Mindset Empreendedor Global é sobre olharmos lá para fora e buscarmos as soluções adotadas lá, que possam ser, com pequenas mudanças, usadas aqui. Via de regra o Brasil é atrasado alguns anos em relação aos demais países, então costuma funcionar. Além do mais, também é importante termos senso de noção: somos um país pobre e analfabeto. Mais de 60% da população sobrevive com um salário mínimo por mês, e mais ou menos essa mesma quantia de pessoas é analfabeta, sem ter a capacidade mínima de interpretar um texto, ou mesmo de separar fatos de opiniões.

Tá, mas o que isso tem a ver? Simples, ao buscarmos soluções em outros países para problemas internos, e assumindo a nossa posição de país de terceiro mundo, para então pesquisarmos nos de primeiro, temos uma possibilidade um pouco melhor de que aquilo que foi pensado já passou por alguns processos, como de validação da ideia, MVP, pesquisa de mercado, estudo de concorrência, precificação, e até os enfrentamentos jurídicos e legislativos que possam ter. A isso dá-se o nome: atalho. Alguém fez isso por você, e você só tem a agradecer.

Olhar pro lado e descobrir que alguém está fazendo algo, mas que não aqui, isso sim é um passo de genialidade. O segundo passo será o da execução: monte um bom time, e sem enrolação comece a produzir o seu produto/serviço, antes que outro faça. Afinal, ao olhar pro seu umbigo você se esquece de ver que é apenas um em mais de 7 bilhões de pessoas, e que somos pobres e analfabetos, alguém melhor que você já está fazendo a mesma coisa. Não perca tempo!